quarta-feira, 15 de maio de 2013

Tratado de Tordesilhas

É incrível como brasileiro provoca um sorriso em qualquer lugar do mundo. Seja pela tentativa de se comunicar em um idioma diferente, ou pelo simples fato de encontrar beleza em coisas simples. O fato é que vivendo em outro país, encontrei uma riqueza maior no meu próprio. Não que a cultura chilena e o Chile em geral sejam pobres de cultura, muito pelo contrário, são extremamente apaixonantes. Mas o que se passa é que com uma visão de "estrangeiro", você vê que o Brasil é uma grande exceção na América Latina. Podemos ser o maior país, o mais populoso, talvez o mais "rico", mas mesmo assim somos o mais isolado. Consumimos uma cultura que não é compartilhada pelos nossos "hermanos" que nos cercam. Ou alguém conhece Violeta Parra, "Los tres" ou a literatura de Pablo Neruda e de Gabriela Mistral?  É claro que muitos devem conhecer esses ícones da música e da literatura latina, mas esse conhecimento fica restrito a um pequeno grupo. 

Apenas recentemente o espanhol foi incorporado no currículo das escolas, sendo que, entretanto, ainda é pouco influente. Temos todos os motivos para se identificar com a língua. Somos rodeados de países hispânicos, temos um idioma que se assemelha muito  e recebemos uma imensa parcela de turistas provenientes desses países... e o que faz o Brasil? Consome sua própria cultura ou de países do hemisfério norte. Por um lado é uma grande perda, já que não nos acercamos tanto de nossos vizinhos. Por outro é um ganho, pois faz com que tenhamos uma cultura distinta e diversificada.

Falar do Brasil quando estou em outro país parece um pouco estranho, mas o fato é que ser brasileiro te traz um grande números de clichês que é complicado desfazer. 

 - Brasil? Então você joga futebol? Dança samba, axé? Sabe fazer uma caipirinha? 
Na medida em que as respostas são negativas uma dúvida se forma na expressão dos estrangeiros.
- Mas, só um minuto... Você é brasileiro mesmo?

 Eu sei que a nossa cultura é distinta e que se mesclou com a cultura africana, europeia e de cada canto desse planeta, mas nem todos os brasileiros praticam futebol, sambam e dançam axé. O Brasil tem um imenso território, e o que eles pensam. " Mandaram o menos brasileiro dos brasileiros pra cá.." 
Confesso que apesar de ser patriota  ( tenho orgulho do meu país ), nunca fui de consumir a cultura do mesmo. O viver longe da comida, do calor, o conforto da sua língua materna e de tudo que seja familiar faz com que você dê valor ao que deixou pra trás. O cheiro do feijão na panela... O bom dia que as pessoas trocam antes de trabalhar. As tardes quentes e as chuvas torrenciais. As pessoas comentando da novela. O cheiro de terra úmida. O sorriso e o jeito brasileiro... 

Essas coisas simples me dão saudade, e também orgulho. Tomara que um dia o Brasil possa consumir mais cultura de seus vizinhos e compartilhar mais da sua riqueza para a América Latina. Ver um país sob apenas um olhar é muito complicado. É como dizer que Brasil é Pelé, Argentina é Maradona, Estados Unidos é hollywood e Inglaterra é The Beatles. Esse olhar simples e de senso comum arremata todas as pessoas que pretendem conhecer algo com apenas o básico, ou menos que isso. Cheguei ao Chile pensando no frio, nos terremotos e nos vinhos. Em pouco mais de 2 meses descobri que o Chile é o país dos extremos, onde o deserto mais árido do mundo ( ao norte ) divide territórios com o sul gelado. País do abacate, da cordilheira dos Andes, das marchas por direitos e dos indios mapuches e também amante do futebol. Um infinito de coisas que descobri com um olhar mais atento. 



O que fica é o desejo de um dia poder pensar que enfim vencemos a barreira do Tratado das Tordesilhas, e a América Latina possa ser um só continente.


3 comentários:

  1. Brigado Sah
    Ass: Will

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o texto... concordo com todas as coisas... devemos ter orgulho do nosso país... e realmente não é só Futebol, Axé ou Samba, Caipirinha e Praia... tem muito outras coisas e culturas... Abraço!

    ResponderExcluir